“Você é feliz? Tire o lixo da sua mente.” (Sócrates)

O filme, que foi baseado no best seller “O Caminho do Guerreiro Pacífico” (Dan Millman), tornou-se uma indicação imediata aos praticantes de Parkour que buscam compreender melhor a realidade em que vivem e a extensão de suas próprias limitações. Se você nunca o assistiu, não perca tempo pois vale muito a pena!

Analisando a obra, o Doutor em educação da PUC-SP, João Luís de Almeida Machado, produziu recentemente um artigo que apesar de retratar o conteúdo do filme, facilmente se insere no universo do Parkour e nas dúvidas que nós praticantes enfretamos. Em sua passagem mais célebre ele afirma:

“A maioria das pessoas atualmente se preocupam em saber cada vez mais, mais e mais… Acumulam conhecimento para fazer frente a desafios imediatos e não parecem dispostas a pensar com profundidade as informações que adquirem… Se elas resolvem os problemas, por que se preocupar com as mesmas? A primeira grande realização de um “guerreiro da paz” é descobrir e ser humilde o suficiente para admitir que não sabe, que precisa aprender… O caminho a ser trilhado não admite arrogância ou prepotência, exige desprendimento e disciplina, cobra concentração e fé. Não basta ter conhecimento é preciso agir com sabedoria, ou seja, é necessário atingir a capacidade de processar, refletir, comparar, pesar, analisar e finalmente entender as informações para que se faça o uso inteligente daquilo que se conhece.”

Aproveitando a oportunidade gostaria de deixar aqui registrada aqui mais dois documentos bacanas sobre o assunto:

“Carta aos Freerunners” escrita pelo autor do livro/filme e traduzida pelo nosso amigo Arthur Barros (PKMAX Parkour).

Review do Filme – Postagem no blog pessoal do Alberto Brandão (Decimadomuro).