Atualizado: Corrigi o título da matéria porque não se tem certeza de que o espaço estava abandonado.

Desde o início do mês circulavam fotos de dois praticantes do grupo Storror com sangue e perfurações de tiros. Parecia ser no começo uma grande brincadeira, no estilo que o grupo esta acostumado a aprontar. Mas com o tempo, a mesma notícia passou a ser divulgado em jornais locais de Londres. Então somente dois dias atrás, um dos integrantes do Storror, Max Cave,  resolveu confidenciar o ocorrido no site.

“Era um dia de domingo como outro qualquer, eu fui treinar com um amigo pelos arredores de Horsham. Decidimos subir nesse telhado pois a gente já tinha ido lá antes e era um lugar muito bom. Eu estava subindo nas coisas e fazendo algumas passadas quando eu percebi alguém na janela. Desci um andar e tentei avisar o resto do pessoal, mas aí eu escutei um barulho e um grande impacto na minha cintura. Levantei o braço e percebi que eu estava sangrando sem parar. Não sabia o que pensar e comecei a correr que nem um desesperado. Então aí eu percebi que o maluco com a arma estava atirando no Luke também.  Realizou dois disparos contra ele. Descemos para a rua e fomos pedir ajuda em um bar. Quando me encontrei com Luke, ele estava em choque e sangrando muito também, pelas costas e pelo braço. Entramos numa viatura da polícia e nos dirigimos ao hospital mais próximo para fazer raios-x. No dia seguinte passamos por cirurgias para remover os estilhaços. O cara que atirou na gente se chama Eric Klington e ele continua pedindo “inocência” para a corte que irá julgá-lo em dezembro. Provavelmente ele irá para prisão, o que não teria acontecido se ele somente tivesse dito: “Ei cara, desça daí!”.”

A história serve de alerta para os praticantes que tem mania de invadir lugares privados. Invasão é crime e você pode acabar tão mal quanto os caras, ou pior.

Acesse o site do Storror para ver a matéria completa e mais fotos do ocorrido.